Neoenergia Brasília prorroga chamada pública para projetos de eficiência energética

Empresa vai investir, ao todo, R$ 9,3 milhões em projetos que visam melhorias de instalações, micro e minigeração fotovoltaica e aquecimento solar de água

 

A Neoenergia Brasília prorrogou as inscrições da Chamada Pública de Projetos 001/2021, para selecionar projetos de eficiência energética no Distrito Federal, até o dia 7 de fevereiro de 2022. O edital precisou passar por revisões, o que motivou a ampliação do prazo de submissão de proposta de projeto em cerca de 30 dias. Os interessados poderão encontrar o edital com mais informações em: https://www.neoenergiabrasilia.com.br/sobre-nos/Paginas/eficiencia-energetica.aspx

Os recursos disponibilizados pela distribuidora somam R$ 9,3 milhões e serão investidos em projetos de micro e minigeração com fonte incentivada solar fotovoltaica, aquecimento solar de água, iluminação geral, iluminação pública, sistemas motrizes e condicionamento ambiental. As iniciativas selecionadas deverão ser executadas ao longo de 2022.

“Com a chamada pública, o processo de escolha dos projetos que fazem parte do Programa de Eficiência Energética é mais transparente e democrático, visando uma maior participação da sociedade. O objetivo é estimular o uso mais eficiente de energia, com práticas sustentáveis", afirma a gerente de Eficiência Energética da Neoenergia, Ana Christina Mascarenhas.

Podem participar os consumidores que estejam em dia com a distribuidora e façam parte dos segmentos de poder público, comércio e serviços, serviço público, condomínios residenciais, iluminação pública e industrial, de acordo com o edital. As regras cumprem as determinações do Programa de Eficiência Energética (PEE), regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O recurso disponibilizado para o segmento industrial é de R$ 1 milhão. Para os clientes de comércio e serviços serão disponibilizados R$ 3 milhões, além de R$ 500 mil destinados aos serviços públicos, R$ 2 milhões ao poder público, R$ 2 milhões ao segmento residencial (condomínios) e R$ 800 mil para iluminação pública.

Cada proposta de projeto deve ter um aporte mínimo de R$ 200 mil limitado a R$1,5 milhão. Para projetos da tipologia Industrial, o aporte máximo será de R$ 3,8 milhões.

​