Em seu 1º ano de operacão em Brasília, Neoenergia investe em infraestrutura e na modernização da rede elétrica

​​

Distribuidora implanta novas tecnologias, como o self-healing e o esquema de transferência automática de linhas de distribuição, para melhorar a qualidade do fornecimento e segurança da população 

Nesse primeiro ano de operação da Neoenergia em Brasília, a distribuidora investiu R$ 236 milhões em infraestrutura do setor elétrico e na busca para assegurar a qualidade dos serviços aos mais de 3,3 milhões de pessoas em todo o Distrito Federal. A maior parte desse investimento foi destinado a implantação de novas tecnologias, com o objetivo de proporcionar inteligência e modernização à rede elétrica. 

“A Neoenergia Brasília está empenhada na modernização e digitalização da rede elétrica do Distrito Federal com novas tecnologias para melhorar a qualidade do fornecimento de energia e segurança da população, a fim de atender cada vez melhor às expectativas dos nossos clientes”, afirma Frederico Candian, presidente da Neoenergia Brasília. 

Um exemplo dessa modernização foi a implantação de 83 esquemas de self-healing – uma inovação tecnológica inteligente capaz de isolar um defeito e restabelecer, automaticamente em segundos, o fornecimento de energia aos clientes desligados. Só em Ceilândia, a distribuidora instalou 13 equipamentos desses ao longo de 2021. Em Planaltina foram 10, em Samambaia, nove, e no Gama, seis. 

Quando uma árvore cai em cima da rede elétrica e interrompe o fornecimento de energia, o sistema identifica o ponto onde houve a interrupção, isola somente a área afetada e recompõe o fornecimento de energia automaticamente a todos os clientes impactados. Um restabelecimento que antes poderia levar horas – entre identificação do defeito, manobras na rede e normalização por uma equipe técnica – com o sistema, pode levar poucos minutos ou segundos para ser concluído. 

RELIGADORES - Desde a chegada da Neoenergia em Brasília, em março de 2021, foram instalados 379 religadores automáticos, dobrando o parque de equipamentos deste tipo existentes na companhia. Eles são automatizados e aumentam a robustez da rede elétrica. Isso reduz a quantidade de clientes impactados em eventuais situações de falta de energia, como queda de galhos de árvores sobre a rede, e diminuem o tempo de recomposição do fornecimento da energia. 

O sistema identifica o ponto em que aconteceu a falha e realiza, de forma autônoma, manobras isolando o trecho danificado. Em até 60 segundos, o defeito pode ser isolado e o serviço é restabelecido para o maior número de clientes, sem necessidade de intervenção humana. 

Só nos meses de janeiro e fevereiro de 2022, a Neoenergia Brasília instalou 108 religadores automáticos. As Regiões Administrativas (RA’s) que receberam a maior quantidade de equipamentos foram Samambaia (21), Guará (16) e Taguatinga (12). Essa ação beneficiou mais de 1 milhão de pessoas e o investimento foi de mais de R$ 5 milhões. Mais 30 equipamentos serão acrescentados à rede em março e, até o final do ano, serão implantados mais de 300. 

SUBESTAÇÕES - Outra atuação importante foi melhoria nas subestações de energia em Brasília. As 41 subestações existentes na cidade passaram por quatro ciclos de inspeção e manutenção ao longo desse período, que resultaram na troca de diversos dispositivos e equipamentos, com destaque para a substituição de 48 disjuntores que estavam em fim de vida útil. 

Na área de automação tivemos a implantação do Sistema de Transferência Automática de Linha (TAL) na subestação 8, que alimenta grande parte do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA). A ação consiste em uma série de comandos sequenciais automatizados, com o objetivo de reduzir o tempo de desenergização da subestação e ajudar o Centro de Operações Integrado (COI) para o rápido restabelecimento da energia. A inovação proporciona, assim, um tempo de desligamento inferior a 6 segundos e beneficia também uma parte do Cruzeiro e do Sudoeste. São mais de 12 mil unidades consumidoras beneficiadas diretamente com a nova tecnologia. 

Já no Lago Norte, por exemplo, a Neoenergia Brasília instalou um transformador de potência da subestação 7, localizada na QL 05 e responsável por distribuir energia elétrica e beneficiar, em média, 26 mil pessoas que residem e trabalham na região. Além da troca do transformador, a distribuidora substituiu nove disjuntores e fez uma manutenção geral no local. Com um investimento de mais de R$ 3,6 milhões, as ações deixaram a SE mais moderna, o que resulta em uma melhor confiabilidade da energia para a população. 

Esse equipamento, o mais moderno em funcionamento no Distrito Federal, possui um sistema de monitoramento completo que garante a qualidade no fornecimento aos consumidores da região. Além disso, o dispositivo possui um sistema embarcado de sensores e proteções que permitem o diagnóstico remoto e, em tempo real, das condições do transformador, tudo centralizado em um sistema de gestão de ativos que utiliza inteligência artificial no tratamento dos dados. Isso confere maior confiabilidade no fornecimento e redução nos custos de manutenção. 

REDE SUBTERRÂNEA – A distribuidora também investiu no processo de modernização de sua rede subterrânea e instalou equipamentos de proteção automatizados em Estações Transformadoras do Sudoeste, nas SQSW’s 301, 304, 305 e 306. A ação beneficia mais de 11 mil pessoas que residem e trabalham na região. Os dispositivos, importados do Estados Unidos, melhoram o desempenho e garantem a qualidade do fornecimento de energia. O planejamento da empresa prevê a instalação de mais 70 protetores automatizados em outras áreas ao longo do ano de 2022. 

Com investimento de mais de R$ 4,3 milhões, a tecnologia traz uma maior confiabilidade no sistema elétrico da área, evitando a falta de energia na região, no caso de falha em algum circuito. Além disso, o sistema pode ser supervisionado, em tempo real, pelo COI, que pode atuar remotamente, sem a necessidade do deslocamento de equipes. 

OUTRAS AÇÕES - As equipes da Neoenergia Brasília também fizeram inspeção e manutenção em mais de 16 mil quilômetros de redes e linhas, além de realizar mais de 50 mil podas de árvores, o triplo do realizado em 2020, e instalar mais de 12 mil espaçadores de rede. Além disso, houve a substituição de mais 120 quilômetros de rede elétrica depreciada. ​